PILATES NA GESTAÇÃO

Pilates na Gestação

Muitas mães têm algumas duvidas e alguns medos quanto a pratica de algum exercício físico durante a gravidez, então resolvemos escrever um pouco sobre o que acontece na gravidez e o que o pilates pode fazer em relação à mãe e ao bebê durante e após a gestação.

Desafio do core contra a gravidade trabalhando toda a cadeia posterior na barra torre do Cadillac

Durante a gravidez é comumente necessário para a mulher adaptar sua postura para compensar a mudança de seu centro de gravidade, como uma mulher faz isso? Será individual e dependerá de muitos fatores, como força muscular, extensão articular, fadiga e modelos de posição. Em uma mulher não grávida, o centro de gravidade está localizado na altura dos rins. Mas na gestante, o centro de gravidade torna-se mais anterior, forçando a coluna. Há uma tendência para o deslocamento para frente, devido ao crescimento do útero e ao aumento das mamas. Para compensar, o corpo projeta-se para trás, amplia-se

a base de sustentação, os pés se distanciam e a porção cervical da coluna alinha-se para frente, muitas vezes ocasionando as dores e desconfortos.

Durante a gravidez é comum reter mais liquido porque o seu corpo todo está passando por diversos processos hormonais, principalmente no ultimo trimestre onde devido ao aumento de água em todo o corpo e também por alterações bioquímicas e fisiológicas durante a gravidez.

Visando toda essas mudanças o pilates ele é indicado a partir do 3º mês de gestação onde o período embrionário passou e já temos um feto se formando correndo um risco menor de sangramento, dor, descolamento da placenta, por isso nunca se esqueça de avisar o seu médico quanto a pratica de exercícios durante o período da gravidez, os riscos com o pilates são quase que nulos desde que trabalhado com profissionais capacitados para atender e entender a fisiologia da gestante durante esse período identificando seus limites e a execução correta dos exercícios.

Todo e qualquer exercício no pilates será sempre executado junto com a respiração, não só em grávidas, mas a respiração nesse período irá ajudar no momento das contrações e na hora do parto caso a mãe opte pelo parto natural também, algumas funções pulmonares são afetadas devido ao “descontrole” do organismo neste período.

Daremos mais atenção a alguns grupos musculares devido a sua necessidade assim como o fortalecimento do assoalho pélvico visando uma melhor recuperação no pós-parto principalmente em partos normais, evitando principalmente as incontinências, fortalecimento abdominal para evitar a diástase, (distensão do músculo abdominal comum no pós-parto devido ao aumento da pressão intra-abdominal) problema que causa certo desconforto e diminuição da autoestima da mulher no pós-parto.

O alongamento será trabalhado visando uma melhora nas dores principalmente na região lombar e nervo ciático que é a que as gestantes mais reclamam.

O trabalho com o pilates tem que ter uma continuidade no pós-parto também após o período de resguardo e a liberação médica para voltar às atividades. Alguns estabelecimentos oferecem aulas da mãe com o bebê para que se fortaleça o vinculo entre eles no primeiro ano.

Imagens meramente ilustrativas.

Imagens meramente ilustrativas.

 

Para assistir vídeos acesse nosso canal pelo botão do Youtube ao lado e se inscreva.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *